Novamente dirigido e roteirizado por Brad Bird (Ratatouille), Os Incríveis 2 representa o retorno da família animada de heróis às telonas 14 anos após a exibição do primeiro longa.

Na época, a Pixar já possuía outros filmes de animação com personagens inesquecíveis, como Toy Story (Woody, Buzz Lightyear), Monstros S.A. (Mike e Sullivan), Procurando Nemo (Nemo, Marlin e Dory) e Vida de Inseto (Flik). Sem contar os que foram surgindo, em especial, após o acordo com a Disney.

Confira a crítica sobre o que esperar do novo filme! [Sem spoilers]

Os Incríveis 2​​ | Análise

Premissa

Na volta da família incrível, Helena Pêra, a Mulher Elástica, assume uma missão e é obrigada a deixar Roberto, o Sr. Incrível, em casa com as crianças.

Enquanto ambos estão tentando se adaptar às novas rotinas, o bebê Zezé começa a usar seus superpoderes, até então desconhecidos por todos.

E para complicar ainda mais, surge um perigoso vilão, conhecido como Hipnotizador.

A família e Gelado precisarão trabalhar juntos novamente para combater o mal.

Personagens

Assim como a ideia inicial anos atrás, Os Incríveis 2 segue sendo protagonizado por personagens humanos.

Beto Pêra e Helena, com seus três filhos, Violeta, Flecha e Zezé são, obviamente, os que ocupam o maior tempo de tela.

Sr. Incrível e Zezé em Os Incríveis 2
(IMDb/Reprodução)

Gelado, o amigo da família; Edna Moda, estilista e conselheira dos Pêra, e Toninho Rodrigues, garoto pelo qual Violeta tem uma queda, também retornam à sequência.

Além deles, um novo grupo de heróis, os empresários Winston Deavor e Evelyn Deavor, e os vilões Escavador e Hipnotizador.

Confira o elenco completo de Os Incríveis 2:

Personagem Dublador(a) EUA
Roberto Pêra/Sr. Incrível Craig T. Nelson
Helena Pêra/Mulher Elástica Holly Hunter
Violeta Pêra Sarah Vowell
Flecha Pêra Huck Milner
Evelyn Deavor Catherine Keener
Zezé Pêra Eli Fucile
Winston Deavor Bob Odenkirk
Gelado Samuel L. Jackson
Toninho Rodrigues Michael Bird
Voyd Sophia Bush
Edna Moda Brad Bird
Helectrix Phil LaMarr
Embaixadora Isabella Rossellini
Âncora Chad Brentley Adam Gates
Ricardo Dicker Jonathan Banks

​Roteiro e Desenvolvimento

Mais do que momentos de ação, vemos os esforços e os questionamentos de Helena Pêra ao “deixar” a família, o desenvolvimento dos dramas adolescentes de Violeta e a impulsividade do hiperativo Flecha, que Roberto Pêra precisa lidar sozinho pela primeira vez, enquanto enfrenta seu lado mais frágil, graças ao ego ferido, e às discussões da sociedade sobre a “extinção” dos heróis.

E claro, o que também era de grande expectativa, pelas divulgações dos trailers, o protagonismo de Zezé, que volta ainda mais divertido e roubando as cenas, ao começar a liberar seus poderes.

Todos os personagens principais de Os Incríveis 2 foram bastante explorados, tendo seus momentos de glória – Gelado, por exemplo, foi muito bem aproveitado.

No geral, o roteiro é eficiente, apesar de conter alguns pontos fracos, especialmente na conclusão apressada.

​Design, Trilha Sonora​ e Dublagem

Os personagens trazem basicamente as mesmas características. A animação e edição foram extremamente bem feitas e detalhadas.

Na trilha sonora, Michael Giacchino, que também foi responsável pela do primeiro filme, voltou a trabalhar em Os Incríveis 2. E em algumas sequências, especialmente nas de ação, a trilha tem semelhanças perceptíveis com a dos filmes do 007.

A maior parte da dublagem brasileira ficou bem adaptada e engraçada – algumas melhores, outras combinando menos com os personagens -, e é impossível não reconhecer algumas vozes, como a de Otaviano Costa, Raul Gil e Evaristo Costa, por exemplo.

Análise geral

Pensando nas animações que chegaram aos cinemas brasileiros em 2018, Viva – A Vida é uma Festa, também da Pixar, foi uma das grandes surpresas, podendo ser considerado, até o momento, o melhor do gênero.

Mas trazendo para o contexto de sequência, Os Incríveis 2 é emocionante, se mantendo como uma continuação muito interessante, equilibrando ação, drama, vida familiar e discussões sociais e governamentais.

Sem dúvida, a nostalgia desde o primeiro ato dos heróis na telona é um dos pontos altos da experiência, e inteligentemente e corajosamente, o longa começa exatamente onde Os Incríveis de 2004 terminou.

Assim como Procurando Dory (2017), valeu a espera, e quem sabe, em uma próxima produção, como foi com a da peixinha carismática, outro personagem ganhe uma história única. Não espantaria que Zezé ganhasse sua própria sequência.

Aproveite para conferir curiosidades sobre Os Incríveis.

REVER GERAL
Os Incríveis 2 | Crítica